Ansiedade e auto-estima: onde se cruzam?

Atualizado: 5 de mai. de 2021

O medo que sentimos e projetamos para o futuro, antecipando que algo vai correr mal ou é perigoso denomina-se Ansiedade. A par da Depressão, quase que poderíamos dizer que a Ansiedade é uma das perturbações psicológicas com maior prevalência, tendo em conta que hoje os nossos níveis de ansiedade se encontram acima do que é suportável para a maioria das pessoas, provocando desconforto psicológico e, consequentemente, físico.



Contudo, é necessário desmitificar a negatividade associada à ansiedade, a par de outros sentimentos e emoções de valência menos positiva. ​A ANSIEDADE NÃO É NEGATIVA EM SI – O QUE É QUE ISTO SIGNIFICA?

​É importante salientar que nenhuma emoção ou sentimento são negativos por si, sendo todos eles, positivos e negativos, sinalizadores do que estamos a percecionar através dos órgãos dos sentidos, contendo informação valiosa para a nossa adaptação ao meio e para nos preparar para reagir ou não. ​

​Quando o estado de vigilância associado à ansiedade se torna permanente e desadequado à situação, este pode causar muito desconforto e afetar o bem-estar e a possibilidade de termos uma vida feliz. Acabamos por ficar num estado de alerta, no sentido de nos prepararmos para o evento que antecipamos e percecionamos como ameaçador, o que nos afetará a atenção, concentração e estado de ânimo. ​

​A Ansiedade pode tornar-se uma prisão pelo ciclo eu a mantém pois tendencialmente começamos a evitar ir aos mais variados locais, fazer o que gostamos de fazer, privar-nos de determinadas situações, para não entrar em contacto com os sintomas desconfortáveis e incompreensíveis que parecem colocar a nossa vida em perigo.


​COMO ULTRAPASSAR A ANSIEDADE?


Medicação

Pode ser útil em alguns casosem que a sintomatologia não permite que a pessoa tenha uma vida minimamente funcional pela persistência dos sintomas desconfortáveis e pensamentos automáticos.

Terapia

A ansiedade é muito mais que os sintomas físicos que se sente. Tem todo um ciclo que tem de ser quebrado começando pela compreensão do mesmo e desconstrução, criando novas oportunidades para interpretar os sintomas de forma realista e desconstruir os pensamentos associados. É fundamental perceber: - O que me deixa ansiosa? - Quando? -Como identifico a minha ansiedade? (sintomas, comportamentos, pensamentos) - O que sinto é proporcional à situação? -Consigo controlar a minha ansiedade? ​


SUGESTÕES PARA LIDAR COM A ANSIEDADE:


1.Avaliar a probabilidade do evento ameaçador realmente acontecer Muitas vezes os pensamentos não são realistas. 2.Intenção no pensamento e alteração do comportamento Quando alteramos o comportamento reforçamos o que queremos que aconteça e construímos novos significados que não alimentam as crenças que mantêm o ciclo da ansiedade = novas oportunidades. 3.Controlo da respiração e relaxamento Permite que sejam experienciadas novas sensações além da tensão e desconforto que a ansiedade provoca. 4.Tomar consciência = mindfullness Atenção plena, estar no momento. Exercícios como tomar banho, comer, prestando atenção às sensações provocadas por todos os órgãos sensoriais permitindo-lhe entrar em contacto consigo e a valorizar a magia de viver atento ao momento presente e não focado no futuro. 5.Aceitação e ação Aceitar as sensações internas e a inevitabilidade das emoções negativas. Comprometer me com os meus valores, criar objetivos e agir. “O medo não é para suprimir ou negar, mas para aprender a lidar”. 6.Exposição Enfrentar o que tememos, ao invés de evitar ou fugir, pois dificulta a desconfirmação do perigo e a identificação dos recursos internos para lidar com determinada situação ou emoção. 7.Praticar exercício físico ajuda a baixar os níveis de ansiedade 8.Dormir bem através controlo de estímulos na hora do dormir


BAIXA AUTOESTIMA - CRENÇA ACERCA DO VALOR PESSOAL

​A autoestima é baseada na relação que desenvolvemos com o nosso mundo interno e externo.


​Baseia-se na perceção que temos dos recursos internos e como os utilizamos a nosso favor.

​Esta noção de valor pessoal é formada desde a infância, ao longo do tempo, através da confirmação ou não das nossas atitudes, comportamentos, desejos e escolhas.

​Durante a nossa infância precisamos de amor para nos sentirmos confirmados, esse amor funcionara como alimento.


Assim, abrimos espaço para a segurança interna, autoconfiança e consequentemente, autonomia e independência.

Durante a adolescência essa confIRmação ainda é procurada fora de si, nos amigos, grupos de pares…

PORQUE ME TORNO UM ADULTO INSEGURO?

​À medida que nos desenvolvemos descobrimos o nosso valor pessoal e em que é que somos importantes para o mundo.

​Quando este processo não ocorre como esperado, dá origem a crianças\adultos\adolescentes inseguros e insatisfeitos. ​

QUAIS SÃO OS SINTOMAS DESTE TIPO DE FUNCIONAMENTO?


  • Sentimento de inadequação

  • Crenças auto-sabotadores – não sou capaz

  • Não reconhecer ou acreditar no seu valor pessoal e potencialidades

  • Pessimismo, negatividade, falta de confiança em si ou nos outros e na vida,.

  • Não se sentir merecedor de respeito, amor

  • Assumir culpas pro tudo o que acontece ou tentar encontrar um culpado para tudo o que acontece

  • Não criar objetivos= mantem o padrão de nada de bom me acontece

  • Comportamento de Submissão ou agressividade

  • Não ter iniciativa

  • Medo de não ser aprovado

  • Ver-se demasiado através dos olhos dos outros

  • Perfecionismo

O QUE POSSO FAZER PARA LIDAR MELHOR COM A ANSIEDADE?


  • Tomar consciência dos pensamentos e crenças limitadoras e desafia-las, colocando-as em causa e agindo para desconfirmá-las.

  • Agradecer a si mesmo

  • Dar valor às suas necessidades e desejos e não depender de ninguém para as suprir

  • Não alimentar o fracasso e inercia mas olhar para tudo o que já conseguiu e orgulhar-se

  • Alimentar a sua vida com experiencias aliciantes, por exemplo, envolvendo-se em novos projetos, workshops, novas experiencias.

  • Traçar objetivos e esforçar-se

  • Libertar-se do peso do passado, respeitando o seu percurso e processo de desenvolvimento pessoaL. ​

ONDE SE CRUZAM ANSIEDADE E AUTOESTIMA?

​Os pensamentos negativos e catastróficos podem ser desencadeados por insegurança transmitida pelos cuidadores e/ou desenvolvida com base em traumas ou privações na infância.

A preocupação exagerada com o que ainda não aconteceu é uma clara demonstração de insegurança e falta de confiança em si e nas suas capacidades para lidar com o que a vida nos trás. ​

​Uma pessoa que esteja bem consigo e veja com capacidade para lidar com o que lhe acontece, vai estar à partida melhor consigo própria. ​

Os pensamentos negativos, crenças, falta de confiança em si e no futuro, minam a autoestima, sendo fundamental elevar a autoestima para minimizar o comportamento ansioso.

A autoestima acabada por ser protetora da ansiedade e uma peça fundamental na forma como lidamos com ela. ​

DEVO PROCURAR AJUDA?

​Todos nos sentimos menos confiança em determinados momentos.

​Contudo, é importante ter atenção quando:


  1. Afeta a capacidade para nos relacionarmos

  2. Afeta a capacidade de tomar decisões

  3. Afeta a capacidade para resolvermos problemas

  4. Não estamos em sintonia com os nossos valores, originando mau estar psíquico.


Pode provocar Depressão, somatização (dores, problemas de pele, como manifestação do que não estamos a dizer ou aceitar), maior tendência para ter comportamentos de risco ou cuidar menos de si própria. ​

​Não deixe que o seu olhar negativo sobre a vida se torne a sua realidade permanente. Todos passamos por momentos bons e menos bons, contudo, a forma como lidamos com eles irá moldar a nossa realidade. Está nas suas mãos viver a realidade que deseja, libertando-se do fardo do passado, vivendo um presente mais satisfatório e confiando num futuro feliz. ​

9 visualizações0 comentário